Como contratar um seguro residencial com segurança

Como contratar um seguro residencial com segurança

Apesar das inúmeras vantagens oferecidas pelas seguradoras, apenas 10% das 51 milhões de residências brasileiras tem algum tipo de proteção, de acordo com uma estimativa da Bradesco Seguros. No caso de veículos, esse percentual aumenta para 30% da frota.

O seguro residencial garante tranquilidade em casos de acidentes como incêndio, explosões e quedas de raio,
mas é preciso prestar bastante atenção na hora de contratar o serviço.

No caso de apartamentos, o advogado especialista em direito imobiliário, Hamilton Quirino, recomenda que o interessado se informe, primeiramente, sobre o seguro obrigatório do prédio:

— Nesse caso, a proteção do apartamento será complementar à coletiva. Veja o que pode ser agregado para uma
cobertura maior, visto que o seguro coletivo não contempla o valor de mercado do imóvel.

Em apartamento ou casa com financiamento, é preciso checar se já existe um seguro do agente financeiro, e o que ele cobre. Assim, o seguro a ser contratado também será complementar.

— Em situações onde não há nenhuma proteção, devese checar primeiro se o seguro menciona todos os principais riscos, como chuvas torrenciais e inundações. Em segundo lugar, é necessário avaliar o valor do imóvel e a abrangência da cobertura.

Preços

Simulações de planos básicos (cobertura de incêndio, quedas de raios, explosões e coberturas adicionais) para um apartamento com avaliação de R$ 120 mil na Tijuca, na Zona Norte: Banco do Brasil – R$ 68,17; Bradesco – R$ 96,64; Porto Seguro – R$ 97,96; Itaú – R$ 244,81; SulAmérica – R$ 150,16.

Como funciona

O seguro oferece proteção de uma residência, seja um apartamento ou uma casa. O consumidor pode optar por garantir o conteúdo da residência, o espaço físico da casa ou do apartamento ou ambas as proteções.

Novas coberturas

As modalidades de seguro residencial estão cada vez mais sofisticadas. Há desde os planos mais básicos — que geralmente cobrem incêndios, explosões e quedas de raio — até coberturas mais amplas, que protegem contra roubos e assaltos.

Dinheiro vivo

Os planos não cobrem quantias em dinheiro que estiverem dentro do imóvel, já que não há como comprovar a existência desses recursos, no caso de sinistro. Joias e obras de arte também não são garantidas, na maioria dos planos.

O segurado

O seguro residencial pode ser comprado pelo proprietário do imóvel e pelo inquilino que queira proteger seus bens.

Tipos de indenização

O consumidor deve conferir com atenção quais são as coberturas previstas no plano contratado, os limites máximos de indenização e as condições para que ocorra o pagamento no caso de um sinistro.

Ressarcimento

Quando fizer o seguro do conteúdo do imóvel, que inclui itens como móveis e aparelhos eletrônicos, verifique junto à seguradora quais são as condições de ressarcimento. Em alguns casos, a seguradora exige a nota fiscal do item, enquanto em outros é feita uma estimativa do valor do produto.

Pagamento

Caso tenha alguma dificuldade para o pagamento de um sinistro, o consumidor deve negociar com a seguradora. Se o problema não for resolvido, pode buscar ajuda pelo Disque-Susep (0800- 021- 8484) ou pelo site www.susep.gov.br.

Fonte: Segs Portal Nacional/Extra Online NOTÍCIAS – Seguros

Sobre o Autor

LuzeAzevedo administrator

error: Content is protected !!